Quilombo de Cordoaria celebra Novembro Negro

0
Quilombo de Cordoaria celebra Novembro Negro
Quilombo de Cordoaria celebra Novembro Negro
Foto Divulgação

A 16km do centro de Camaçari um quilombo se organizou para celebrar a memória de Dandara e Zumbi dos Palmares. O Quilombo de Cordoaria acordou cedo, ofertando um delicioso feijão no café da manhã entre lideranças que discutiram pautas importantes para a comunidade.

Ainda no período da manhã, o “Acorda, Cordô”, evento organizado por uma das lideranças quilombola, Rose Braga, teve diversas ações sociais para o público presente, como aferição de pressão, manicure, exposição de artesanato, rodas de capoeira e atendimento especializado com psicóloga.

O atendimento psicossocial ficou por conta de Lilian Santana especialista em terapia cognitiva comportamental e psicologia social. O serviço foi uma das novidades do evento esse ano. Para a especialista, “O evento empodera as quilombolas, principalmente, quando a atividade se preocupa em dar esse tipo de assistência porque elas precisam de um atendimento terapêutico”, afirma.

Lilian ainda reforça que estar nessa ação social é também uma chance de refletir suas conquistas pessoais, que são frutos do muitos movimentos e pessoas. “Não cheguei até aqui sozinha”, declara. Outra figura especial em Cordoaria é Cândida do Espírito Santo, parteira de 78 anos, carinhosamente conhecida como Dona Candoca, responsável por inúmeros partos realizados no quilombo. Ela conta que aprendeu o oficio de parteira com Irmã Laurência e que também teve seu 5 filhos pelas mãos da parteira, já falecida, Dona Gertrudes.

Para finalizar as comemorações do Novembro Negro, haverá desfiles, atrações musicais e muitos convidados especiais para comemorar e fazer avaliações sobre os avanços e projetos da região. Rose Braga explica que é uma vitória fazer momentos como o evento dentro de uma comunidade desprovida de muitos bens sociais, de forma que resistir é de fato uma vitória.

Cordoaria é uma comunidade remanescente de quilombo, no distrito de Vila de Abrantes. Com aproximadamente 260 anos de fundado, o quilombo foi reconhecido em 2005 pela Fundação Cultural Palmares. Anos atrás, a localidade mantinha um pequeno fabrico de cordas de sisal, que deu nome posteriormente à comunidade.

Atualmente, a comunidade de Cordoaria vive basicamente da agricultura familiar e da comercialização dos produtos beneficiados por meio do cultivo da mandioca – farinha, beiju, carimã, goma, tapioca, entre outros produtos tradicionais. Mas, já existem planos para que o Quilombo também sobreviva com o turismo ecológico, já que é cercado por uma extensa área verdade que guarda os encantos das terras quilombolas.